Natureza

A região possui um conjunto único de caraterísticas ambientais que resultam da combinação de influências mediterrânicas e atlânticas.

O aspeto da paisagem e da natureza alentejanas dependem das estações do ano: invernos chuvosos, rigorosos e frios; primaveras e outonos com temperaturas suaves e chuvas moderadas; verões extremamente tórridos e secos.

A região possui um conjunto único de caraterísticas ambientais que resultam da combinação de influências mediterrânicas e atlânticas.

Assim, a riqueza cromática dos ciclos da natureza é diferente em cada uma das estações do ano. Na primavera, os campos vestem-se com os roxos e amarelos das flores silvestres, que compõem o verde do prado e das vinhas. No verão predominam os amarelos-acastanhados das imensas planícies de produção de sequeiro. Nas cores fortes do outono dominam os vermelhos da "queda da parra". As árvores despem-se da sua folhagem pintando o inverno de tons castanho-acinzentados.

É nesta diversidade e amplitude que prolifera uma simbiose de cheiros que se alteram conforme as estações do ano, consequência de uma flora diversificada, alguma de caráter permanente, como a azinheira, o sobreiro, o carrasco, o zambujeiro e outra de caráter sazonal, como o tojo, o rosmaninho, o poejo e a madressilva.

Também as diferentes sonoridades se sucedem estação após estação, com a fauna nativa e migratória a proporcionarem concertos inéditos num cenário de extrema tranquilidade, que se estende pelas vastas planícies e pelo espelho de água, proporcionado pelo Grande Lago Alqueva, ecoando nas elevações xistosas e no branco dos montes alentejanos, que salpicam a paisagem.